O que fazer em Pirenópolis: Dicas gerais, onde visitar e onde ficar

BrasilSão PauloO que fazer em Pirenópolis: Dicas gerais, onde visitar e onde ficar

Talvez Pirenópolis não esteja entre os destinos mais hypados do Brasil e, por isso, você ainda não tenha pensado em incluir a cidade entre os seus roteiros mais desejados, pois a descoberta de Pirenópolis pelo turismo é relativamente recente. Mas a verdade é que entre as mais de 80 cachoeiras, inúmeras opções de passeios ecológicos e os atrativos históricos, esta cidade do interior de Goiás se torna uma viagem que agrada diferentes gostos. Tanto é que Pirenópolis foi tombada como Patrimônio Nacional. Dê uma chance a esta cidade cheia de encantos, e continue lendo para descobrir o que fazer em Pirenópolis.

Como chegar a Pirenópolis

Pirenópolis fica a cerca de 130 quilômetros de Goiânia, a capital do estado, e a apenas 150 quilômetros de Brasília. Quem vem de mais longe e acha mais prático fazer a viagem de avião precisará ir até alguma dessas cidades, pois Pirenópolis não possui um aeroporto próprio. Você pode procurar voos para o Aeroporto Internacional de Brasília (BSB) ou para o Aeroporto de Goiânia Santa Genoveva (GYN).

A partir daí, você pode fazer o trajeto de carro ou de ônibus. O ônibus costuma ser uma opção mais em conta, apesar de o carro permitir uma flexibilidade maior. Tanto saindo de Goiânia quanto de Brasília, você encontra ônibus pela Viação Goianésia.

Fazendo o trajeto de carro, quem sai de Goiânia pode pegar a BR-060 e depois a BR-153. Já quem sai de Brasília pode fazer o caminho pela BR-070 ou então pegar a BR-060 e depois a GO-225.

O que fazer em Pirenópolis: Os Pontos Turísticos Naturais

Pirenópolis é um paraíso para quem curte cachoeiras: com mais de 80 quedas d’água, daria para passar vários dias aproveitando a água geladinha e a proximidade com a natureza. Separei para você algumas opções de cachoeiras e de outros atrativos naturais que vão encantar quem gosta de passeios ecológicos e de aproveitar os recursos naturais que nosso Brasil tem aos montes.

Cachoeira do Rosário

Com certeza a Cachoeira do Rosário deve entrar no seu roteiro. Esta é uma das maiores quedas d’água de Pirenópolis, com 42 metros de altura, que cai formando um poço natural. Além do poço, você pode aproveitar as piscinas naturais formadas antes da queda principal, ótimas para quem gosta de nadar.

Se você gosta de cachoeiras mas não curte muito lugares menos estruturados, pode ficar despreocupado(a) em relação à Cachoeira do Rosário, pois esta cachoeira possui uma boa infraestrutura de lazer. Além de um restaurante com uma deliciosa comida típica da região, o espaço possui mesas e redes para acomodar os visitantes.

Para chegar à cachoeira, você percorre uma trilha de apenas 350 metros, mas precisará descer por uma longa escada de pedras.

Como a cachoeira pertence a uma propriedade privada, para entrar, você paga uma taxa de R$45,00 ou pode optar por pagar R$90,00 e ter direito ao buffet livre.

Cachoeira do Abade

Quem está procurando o que fazer em Pirenópolis no quesito programa ao ar livre e em meio à natureza, também vai gostar de conhecer a Cachoeira do Abade. Na Cachoeira do Abade, que, não é somente uma cachoeira, mas um espaço de lazer, você pode escolher entre duas trilhas com diversos atrativos: a Trilha do Abade e a Trilha do Vale. A Trilha do Abade é menos extensa, com cerca de 400 metros. Nela, você poderá conhecer a Cachoeira do Canyon e a Cachoeira do Abade, assim como o Mirante das Andorinhas, que proporciona uma bela vista. Já a Trilha do Vale tem 2.500 metros de extensão e é ideal para quem topa mais uma aventura, pois você percorrerá passarelas suspensas, verá mirantes incríveis e poderá conhecer a Cachoeira do Sossego e a belíssima Cachoeira do Landi. A trilha é bem sinalizada e o acesso é tranquilo.

Para aproveitar o espaço, você também precisa pagar uma taxa de R$40,00.

Cachoeiras dos Dragões

Está procurando um ambiente para aproveitar o contato com a natureza e ter momentos de tranquilidade e relaxamento? Então as Cachoeiras dos Dragões serão uma boa escolha, pois esse é o clima de lá: localizadas na propriedade em que funciona o Mosteiro Zen Eisho-Ji, pede-se que os turistas ajudem a manter o lugar silencioso e pacífico. Além disso, como há limite de visitantes e a trilha é de acesso um pouco mais difícil, as cachoeiras não costumam ficar lotadas.

As cachoeiras conhecidas como Cachoeiras dos Dragões são 8, e podem ser visitadas ao longo de uma trilha de cerca de 4,3 quilômetros. Cada uma das cachoeiras tem suas características, algumas são mais voltadas para quem quiser nadar, outras para contemplação, mas os visuais são todos de tirar o fôlego. Aliás, por falar em fôlego, vá preparado(a) para a trilha. O nível de dificuldade não é alto, mas é bom ter um calçado adequado e se preparar para o caminho irregular e uma subida um pouco íngreme.

As cachoeiras são Portão do Dragão, Dragão Azul, Pérola do Dragão, Nuvens do Dragão, Dragão Verdadeiro, Dragão Voador, Dragão do Céu e, por fim, Rei dos Dragões. Os nomes representam ensinamentos do zen-budismo. Além de um espaço de paz, você poderá aproveitar o visual das cachoeiras, que é incrível.

Cachoeira da Usina Velha

Já para quem está procurando o que fazer em Pirenópolis mas quer uma cachoeira de acesso mais simples, a Cachoeira Usina Velha é minha dica. Apesar de a maior queda d’água possuir apenas 10 metros, a cachoeira é formada por várias pequenas quedas, com a formação de poços naturais que tornam o ambiente ótimo para nadar. O lugar possui estrutura com lanchonete e banheiros, e o valor da entrada é de R$25,00.

Cachoeira Paraíso

Na verdade, Cachoeira Paraíso também não envolve apenas uma cachoeira, mas uma área de lazer que, além das cachoeiras e piscinas naturais, possui restaurante e pousada. Fique tranquilo(a), pois não precisa estar hospedado(a) para conhecer as cachoeiras: você pode aproveitá-las somente pagando a entrada, de R$35,00.

A Cachoeira Paraíso faz jus ao nome: cercada de vegetação do Cerrado bem preservada e águas cristalinas, a queda d’água forma um poço ótimo para nadar, que chega a cerca de 6 metros quadrados de profundidade. O acesso é simples.

A Cachoeira do Lobo, que pertence à mesma propriedade, também não fica atrás. A queda d’água tem cerca de 11 metros de altura e culmina em um poço de até 1,5 m de profundidade – o que é bom para quem prefere nadar onde dá pé. Para chegar a esta cachoeira, você precisa percorrer uma trilha de cerca de 2 quilômetros, mas o nível de dificuldade é tranquilo.

A Cachoeira da Laje é considerada uma das mais bonitas da região. Para chegar lá, a trilha tem cerca de 2,3 quilômetros, mas fica inacessível nos períodos de seca.

Além das cachoeiras, a região conta com 8 deliciosas piscinas naturais! É um ótimo lugar para passar o dia e aproveitar a natureza.

Parque do Coqueiro

Se você procura mais um espaço para curtir a natureza, inclua o Parque do Coqueiro em seu roteiro. Região de vegetação preservada, com diversas nascentes, o Parque, localizado na Serra dos Pirineus, é habitado por espécies silvestres e possui duas cachoeiras e várias piscinas naturais para os visitantes aproveitarem.

A Cachoeira do Coqueiro foi nomeada em homenagem a um imponente e centenário Buriti. Cachoeira de praia de areia e com um poço raso, é ótima para tomar banho de cascata em sua queda d’água.

Já a Cachoeira Garganta é um lugar maravilhoso para nadar, com um poço profundo e uma bela queda d’água.

Além das cachoeiras e dos poços naturais, o Parque possui trilhas e mirantes em meio à mata preservada.

A infraestrutura do local é boa, com lanchonete e sanitários. O valor da entrada é de R$30,00.

Reserva Ecológica Vargem Grande

Outra dica para quem procura o que fazer em Pirenópolis para passar um dia agradável, aproveitar o frescor da natureza e das cachoeiras é a Reserva Ecológica Vargem Grande. Além da vegetação típica do Cerrado, a Reserva possui três cachoeiras adoradas pelos turistas.

Falando nas cachoeiras, a Cachoeira Santa Maria é uma boa dica para quem não é muito das trilhas mais complicadas. Para acessá-la, são apenas 500 metros de caminhada em uma trilha pavimentada até chegar à linda cachoeira.

Já para a Cachoeira do Lázaro, são 1.300 metros de trilha com média dificuldade. É uma boa cachoeira para quem não gosta de se arriscar em águas mais profundas, pois tem apenas 1,5 metros de profundidade.

Outra opção de cachoeira na Reserva é a Cachoeira Véu de Noiva. A linda queda d’água desta cachoeira termina em um poço pequeno e profundo. A trilha de acesso tem cerca de 1.200 metros de caminhada, que envolvem subida e possuem um nível de dificuldade médio.

A reserva também possui uma boa infraestrutura, e cobra um valor de R$45,00 para aproveitar o espaço.

Salto do Corumbá

Mesmo não sendo exatamente em Pirenópolis, achei que valia a pena incluir no roteiro o Salto do Corumbá, já que este parque ecológico incrível fica a apenas 30 quilômetros da cidade.

A principal atração neste complexo é a Cachoeira do Salto, uma incrível queda d’água com 50 metros de altura. Mas, além desta, seis outras cachoeiras encantam os turistas: Cachoeira da Garganta, Cachoeira do Ouro, Cachoeira do Rasgão e Cachoeira da Gruta.

O Parque também conta com outras atrações além das cachoeiras, como piscinas, rappel, escalada, tirolesa e muito mais.

O Salto funciona também como hospedagem – pousada ou camping – mas você pode comprar ingresso para o day use e passar o dia aproveitando toda a diversão.

Cachoeira Meia Lua

Quem está querendo conhecer uma cachoeira linda e de fácil acesso precisa conhecer a Cachoeira Meia Lua. Além de ser a apenas 5 quilômetros do centro de Pirenópolis, a trilha para acessar a cachoeira é pavimentada, diminuindo a dificuldade. Ao chegar lá, você se depara com um cenário deslumbrante: 200 metros de corredeira com diversas quedas d’águas e poços naturais para você contemplar e nadar.

Assim como a maioria das cachoeiras em Pirenópolis, a Cachoeira Meia Lua conta com uma boa infraestrutura e por isso cobra uma taxa de cerca de R$25,00 por pessoa.

Parque Estadual da Serra dos Pireneus

O Parque dos Pireneus fica a cerca de 20 quilômetros de Pirenópolis. Criado com objetivo de preservar a fauna e a flora da região, este parque possui vegetação do Cerrado (como os famosos chuveirinhos) e atrai muitos visitantes que querem contemplar a natureza e aproveitar seus mirantes, trilhas, cachoeiras e formações rochosas.

O destaque vai para o Pico dos Pireneus, com 1385 metros de altitude, que tem uma vista incrível da região e é um dos melhores lugares para se ver o pôr-do-sol.

O passeio pelo Parque Estadual é gratuito.

Refúgio Avalon

Passeios ecológicos não faltam em Pirenópolis, e o Refúgio Avalon é um deles. Uma chácara ecológica localizada às margens do Rio das Almas, o Refúgio possui várias atividades de lazer e de aprendizagem. São trilhas com variados graus de dificuldade, uma linda cachoeira, piscina natural, um incrível jardim sensorial pensado para estimular todos os seus sentidos e muito mais.

É interessante saber que o Refúgio Avalon preza pela sustentabilidade – algo que, hoje em dia, é essencial. Assim, a chácara possui horta sustentável, rede de aproveitamento de água da chuva, minhocário e vários outros detalhes planejados para tornar o espaço o mais amigável à natureza possível.

Mirante do Ventilador

O lugar ideal para quem quer ter uma vista inesquecível da região é o Mirante do Ventilador. A apenas 9 quilômetros do centro de Pirenópolis, o Mirante é gratuito e tem uma vista espetacular, sendo outra dica para quem está procurando um bom lugar para ver o pôr-do-sol. O acesso é possível de carro, de bike ou até mesmo a pé.

Pontos turísticos urbanos e históricos

A graça de Pirenópolis é que, além dos atrativos naturais – que, como você já viu, são muitos – a cidade é cheia de charmosos pontos históricos e outras atrações urbanas. Conheça algumas delas.

Centro Histórico

Se você é apaixonado(a) pelo clima do interior e de cidades históricas, com as charmosas casas de arquitetura colonial e ruas de pedras, tire um tempo no seu planejamento para conhecer o Centro Histórico de Pirenópolis e seus encantos.

Rua do Lazer

Em meio às casinhas em estilo colonial, está uma das maiores atrações em Pirenópolis para quem procura um lugar mais boêmio. Com música ao vivo, restaurantes e bares, a Rua do Lazer fica fechada para carros nos finais de semana e se enche de mesinhas durante a noite, e é lá que você vai achar a maior parte das pessoas que curtem sair para programas noturnos. É também na Rua do Lazer que acontecem muitos dos eventos gastronômicos e culturais que têm Pirenópolis como palco.

Igreja Matriz Nossa Senhora do Rosário

Esta relíquia de Pirenópolis foi construída entre 1728 e 1732, e é considerada como a mais antiga construção de Goiás. O templo é dedicado à Nossa Senhora do Rosário, padroeira da cidade. Em todos esses anos, a Igreja já passou por vários processos de restauração e sobreviveu até a um incêndio, que ocorreu em 2002, tendo sido restaurada nos anos seguintes. Ainda hoje, este lugar cheio de história é um importante ponto turístico e religioso para a cidade, atraindo não só os católicos mas também aqueles interessados em conhecer este espaço tão significativo.

Cine Pireneus

Conhecer o Cine Pireneus é uma boa dica para quem gosta de história e de cinema. Fundado em 1930, o espaço, localizado na Rua Direita (uma das mais tradicionais de Pirenópolis) funcionou como cinema mudo até 1935. A partir daí, sofreu uma reforma, ganhando uma fachada em estilo Art-Decô. Atualmente, o Cine Pireneus funciona como teatro, galeria, cinema e recebe, ainda, apresentações artísticas musicais, sendo, portanto, um dos centros culturais da cidade.

Theatro de Pirenópolis

O Theatro de Pirenópolis, também conhecido como Theatro Sebastião Pompeu de Pina, foi fundado em 1889 pelo então prefeito, cujo nome foi dado ao Theatro, com a ajuda de toda a comunidade. Em estilo híbrido, com elementos portugueses e brasileiros, o espaço foi muito frequentado pela população, recebendo apresentações de ópera, dança e peças teatrais. Em 1945, o Theatro começou a funcionar como cinema, e, posteriormente, recebeu estabelecimentos diversos, até ser comprado pela Fundação Cultural do Estado de Goiás, em 1789. Em 1988, o Theatro foi tombado como Patrimônio Histórico e apenas em 1990 voltou a funcionar como Teatro.

Ponte sobre o Rio das Almas

Outro ponto turístico histórico interessante para você conhecer e fotografar em Pirenópolis é a Ponte sobre o Rio das Almas. Construída em madeira e pintada de um tom vermelho que torna a paisagem bem característica, a Ponte foi construída entre 1899 e 1903, também por obra do intendente Sebastião Pompeu de Pina. É um daqueles pontos marcantes da cidade, que é legal ter como recordação.

Museu do Divino

A Festa do Divino Espírito Santo é uma das celebrações mais tradicionais de Pirenópolis, e é o tema deste museu.

O edifício foi usado, por muito tempo, como Casa de Câmara e Cadeia, e em 2007 foi fundado o Museu do Divino no local.

Seu acervo é composto de imagens, maquetes e objetos relacionados à cultura desta festa tão importante, recebidos principalmente através de doações.

Igreja Nosso Senhor do Bonfim

Sabemos que os templos católicos têm uma grande importância na história das cidades, principalmente em cidades do interior, como é o caso de Pirenópolis. Por isso, talvez você queira incluir em seu passeio pelo Centro Histórico a Igreja Nosso Senhor do Bonfim. Sua construção foi concluída em 1754 e possui uma imagem de Nosso Senhor do Bonfim, levada a Pirenópolis de Salvador. O estilo da construção é o estilo típico colonial português. A Igreja possui 4 sinos, que estão entre os mais antigos do estado.

Igreja do Carmo e Museu de Arte Sacra Nossa Senhora do Carmo

Já que estamos falando de templos católicos, outro que vale a pena conhecer em Pirenópolis é a Igreja do Carmo. Também construída por volta de 1754, a Igreja do Carmo possui uma fachada simples, mas seu interior é ricamente trabalhado em estilo barroco rococó.

É nesta Igreja que está localizado o Museu de Arte Sacra Nossa Senhora do Carmo. Seu acervo é formado por diversos objetos sacros, como imagens, painéis e sinos, com destaque para as imagens de Nossa Senhora do Carmo, Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e da Boa Morte da Lapa.

Museu das Cavalhadas

Quem se interessa pela cultura de Pirenópolis precisa saber mais sobre as Cavalhadas da cidade, que são consideradas como uma das mais bonitas de todo o Brasil. Um bom lugar para isso é o Museu das Cavalhadas, cujo rico e colorido acervo guarda objetos, imagens, vestimentas, máscaras e documentos desta festa folclórica tão tradicional e importante para Pirenópolis.

Quando ir para Pirenópolis: As Festas tradicionais

Os atrativos de Pirenópolis certamente podem ser visitados durante o ano todo. Se você quer aproveitar as cachoeiras e nadar, o verão é uma escolha mais certeira para quem não está animado a encarar a água geladinha da cachoeira. Por outro lado, é uma época em que chove, por isso, considere ir no outono ou no inverno, estações mais secas, se você quiser aproveitar mais para contemplar e andar pela parte urbana, ou mesmo se você não tem medo da água fria!

Mas se você quer aproveitar a cultura da cidade em seu ápice, fique de olho no calendário de eventos, principalmente na Festa do Divino Espírito Santo. A festa foi trazida pelos portugueses no período da colonização, e sua primeira ocorrência em Pirenópolis foi em 1819. A Festa do Divino acontece 50 dias após a páscoa e dura 12 dias, reunindo símbolos religiosos e folclóricos, expressando o sincretismo religioso através da incorporação de elementos de matriz africana e indígena à celebração do Espírito Santo, que atraem toda a cidade para as comemorações. Durante a festa, é coroado um Imperador, que conduz as preparações durante o ano todo – a cada ano, um novo Imperador é sorteado para a festa seguinte.

Em Pirenópolis, junto à festa do Divino ocorrem também as Cavalhadas, festa que celebra a investida do exército de Carlos Magno contra os mouros, por volta do século VIII, na Europa. É uma festa linda, cheia de cores e manifestações culturais. Vale a pena conhecer.

Onde comer em Pirenópolis

Se tenho algo para te recomendar que serve para todas as viagens, é que você não deixe de experimentar os sabores e temperos de cada lugar. Em Goiás, você tem a chance de experimentar pratos típicos como a galinhada, o empadão goiano e as comidas com pequi, além de vários outros ingredientes e sabores.

Uma boa comida servida no fogão a lenha… Deu água na boca? Então conheça o Restaurante Pedreiras e as delícias servidas, como massas, carnes e linguiças defumadas, doces, conservas e muito mais, com destaque para os pratos com um toque regional, como a lasanha de pequi. O ambiente é rústico e agradável e costuma contar com música ao vivo.

A Fazenda Babilônia é um incrível espaço de lazer em Pirenópolis e também um ótimo lugar para comer. A construção da Fazenda data do século XVIII. Atualmente, além de preservar a arquitetura colonial, sendo um bom espaço para visitação, a Fazenda serve uma farta refeição nos fins de semana e feriados, com mais de 40 itens produzidos na própria fazenda.

A próxima dica é para quem não abre mão de um cafezinho. Com um ambiente rústico e charmoso, o Pé di café vende diversas opções de bebidas, como cafés, chás, chocolates quentes, sucos e algumas opções alcoólicas e serve deliciosos lanches, dos mais “comuns”, como bolos, waffles, e bolinhos de chuva, aos mais típicos, como o famoso empadão goiano (uma empada grande, com recheio de frango, guariroba, linguiça, batata e molho cremoso).

Onde se hospedar em Pirenópolis

Um bom lugar para se hospedar enquanto procura o que fazer em Pirenópolis é a Pousada Casa de Frida. Com uma decoração ao mesmo tempo aconchegante e descolada e uma bela vista para a cidade, a Casa de Frida oferece quartos duplos com internet, ar condicionado e vista para o jardim. O café da manhã caprichado é por conta da Pousada.

A apenas 300 metros do Centro Histórico, outra dica em Pirenópolis é a Pousada dos Pireneus. Esta Pousada tem várias opções de lazer para seus hóspedes, como piscina, quadra de tênis, academia e até mesmo um mini-zoológico. Os quartos possuem varanda com vista para o jardim, ar condicionado e TV.

Quem busca um ambiente mais luxuoso pode procurar a Pousada Casarão Villa do Império Hotel Boutique. As acomodações são todas em estilo de época, mas os confortos são bem modernos, como o ar condicionado, TV de LED e, em alguns dos quartos, até banheira. O Hotel conta com piscina, com um belo jardim e com SPA. Oferece um delicioso café da manhã e, como um diferencial, um chá das cinco.

Dicas para os viajantes

Já deu para ver que não vai faltar o que fazer em Pirenópolis, não é? Principalmente se você gosta de cachoeiras, tire alguns dias para aproveitar a cidade e passar algumas tardes curtindo a natureza. Tenho certeza de que você logo vai querer voltar!

Aproveite as dicas e boa viagem!

Daniel Gualberto
O desejo de poder sempre viajar e compartilhar minhas dicas com a maior quantidade de pessoas, me levou a entrar no mundo dos blogs e mídias sociais, e um dia ter o Fica Ativo e Viaja (#FAV) como um das mais respeitadas referência em blog de viagens do Brasil.

Post relacionados

Daniel Gualberto

O desejo de poder sempre viajar e compartilhar minhas dicas com a maior quantidade de pessoa!

10FansLike
176FollowersFollow
42FollowersFollow
- Propaganda - spot_img
- Propaganda - spot_img
- Propaganda - spot_img
- Propaganda -
- Propaganda -

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.