O que fazer em Campo Grande: Dicas gerais, onde visitar e onde ficar

BrasilMato Grosso do SulO que fazer em Campo Grande: Dicas gerais, onde visitar e onde...

Capital do estado do Mato Grosso do Sul, a cidade morena, apelido carinhoso de Campo Grande, é uma cidade que mescla seus atrativos urbanos a uma cultura riquíssima, que reúne diferentes povos na sua formação.

Esse apelido foi dado no século XIX pelo arcebispo Aquino de Correia em homenagem ao tom avermelhado que coloria as terras da capital. E cores são o que não falta em Campo Grande: estão presentes na cultura, na natureza e nas araras que, não raro, são vistas cortando o céu da cidade e que são homenageadas em diversos pontos.

Muitas pessoas visitam Campo Grande a trabalho ou mesmo como ponto de parada para outros pontos turísticos da região, como é o caso de Bonito, famosa pelas extraordinárias cachoeiras. Mas a verdade é que vale a pena programar alguns dias para conhecer a capital. Por isso, chegue mais, pegue seu tereré (a bebida mais tradicional da cidade) e venha descobrir o que fazer em Campo Grande.

Como chegar a Campo Grande

Antes de conhecer as melhores dicas do que fazer em Campo Grande, reserve um momento para decidir como vai ser a sua viagem e se programar com antecedência.

Se o avião é o melhor para você, fique tranquilo(a), pois a cidade possui um aeroporto, conhecido como Aeroporto Internacional de Campo Grande (CGR).

Uma opção que costuma ser mais econômica, embora não seja tão rápida para quem vem de longe é o ônibus. Diversas cidades do Brasil possuem linhas para a capital do Mato Grosso do Sul. São Paulo, por exemplo, possui horários pela companhia Motta e pela companhia Andorinha. A Rodoviária da cidade é chamada de Rodoviária Senador Antônio Mendes Canale, funciona 24 horas por dia e recebe ônibus de mais de 20 empresas.

O carro também é uma boa escolha para quem gosta de dirigir e quer ter uma liberdade maior para transitar pela cidade. As principais vias de acesso para chegar a Campo Grande são a BR-163, a BR-267 e a BR-262.

O que fazer em Campo Grande

Decidiu como vai viajar? Agora chegou a melhor parte: descobrir o que fazer em Campo Grande e como aproveitar seus dias na cidade morena. Conheça aqui algumas opções entre parques, feiras e monumentos que representam bem a capital do Mato Grosso do Sul.

Casa do Artesão

Toda a riqueza cultural que forma Campo Grande fica muito bem refletida nas peças singulares que são produzidas pelos artesãos e artesãs na cidade. Se você tem interesse em conhecê-las melhor, seja para ver ou para levar para casa uma lembrança, um bom lugar é a Casa do Artesão. Nesse espaço, são comercializados produtos diversos, muitos deles produzidos por indígenas das diferentes etnias que habitam o estado. São esculturas, quadros, cerâmicas e outras peças que retratam imagens típicas da região, como é o caso dos animais característicos do Pantanal. Vale a pena conhecer de perto estas manifestações artísticas que podem voltar com você, levando um pedacinho do Mato Grosso do Sul para a sua casa ou para a de seus amigos.

O prédio onde fica localizada a Casa do Artesão também tem interesse histórico, pois foi fundado em 1923 e abrigou a primeira agência do Banco do Brasil do estado. A partir de 1975, a Casa dos Artesãos passou a funcionar no local, onde está até hoje.

Morada dos Baís

A Morada dos Baís é outro edifício que testemunha a história de Campo Grande, marcando o desenvolvimento da cidade desde a sua construção, já que foi o primeiro prédio a ser construído em alvenaria na capital sul-mato-grossense. A primeira função deste icônico edifício é a que até hoje ficou preservada em seu nome, pois foi, durante anos, a residência da família Baís.

Ao longo do tempo, alguns empreendimentos comerciais, como a Pensão Pimentel, ocuparam o espaço. O edifício foi tombado como Patrimônio Histórico e atualmente se tornou um Centro Cultural e Turístico, com espaço para eventos e exposições. É também na Morada dos Baís que fica localizado o Museu Lídia Baís. Pertencente à família Baís, Lídia foi uma importante artista, e algumas de suas obras e de seus pertences estão abertos à visitação no Museu.

Mercadão Municipal

O Mercadão Municipal, ou Mercado Municipal Antônio Valente, teve origem a partir de uma feira livre que acontecia em Campo Grande. Atualmente, são mais de 200 barracas, que se tornaram referência na venda de produtos como carnes, queijos, doces artesanais, peixes, especiarias, ervas medicinais e outros produtos. A maioria das barracas pertencem a descendentes de japoneses, que possuem presença marcante na cidade.

Além de um espaço funcional, para quem precisa fazer suas compras, vale a pena dar uma passada no Mercadão Municipal e garimpar produtos típicos da cidade e da região e conhecer um pouco mais sobre os hábitos de lá.

Sabemos que a cultura indígena é forte em Campo Grande e no Mato Grosso do Sul em geral. Assim, como parte do Mercadão, você também encontra a Feira Indígena, com quiosques localizados na Praça Oshiro Takemori, que vendem uma diversidade de produtos diretamente das mãos das índias.

Parque Horto Florestal

Para quem gosta de fazer caminhadas, curtir passeios ao ar livre e estar mais próximo da natureza, mesmo em meio às cidades grandes, Campo Grande possui alguns bons parques que renderão bons passeios. Um exemplo é o Parque Horto Florestal ou Parque Florestal Antônio de Albuquerque. Além de uma área verde de 4,5 hectares, com diversas espécies de árvores nativas da região, o parque possui várias atividades de lazer, como biblioteca pública, pista de skate, centro de convivência para idosos, orquidário, pista de bicicross e muito mais.

Praça das Araras

Você sabia que Campo Grande é considerada a capital das araras? Os moradores contam que há duas décadas as araras começaram a povoar intensamente o céu da cidade, e não é raro avistar alguma por ali. As exuberantes e coloridas aves, um dos símbolos da riqueza natural do nosso país e mais especificamente do Pantanal, são homenageadas em Campo Grande na famosa Praça das Araras, também chamada de Praça da União. Inaugurada em 1964, a Praça exibe grandes esculturas de araras, criação do artista plástico Cleir Ávila. Em 1996, a praça foi remodelada e ganhou um espelho d’água, uma quadra poliesportiva e um playground infantil.

Vale lembrar que, além de um ponto turístico interessante, a obra é um lembrete da grande importância de preservar este animal, principalmente a arara azul, espécie sob forte risco de extinção.

Monumento à Imigração Japonesa

Localizado na Praça da República, o Monumento à Imigração Japonesa é obra do artista Chouji Oikawa e reproduz o que seria uma típica casa japonesa. Este monumento foi inaugurado em 1979 e foi criado com o objetivo de homenagear os 70 anos da imigração japonesa. Os imigrantes japoneses começaram a se dirigir a Campo Grande por volta do ano 1909 para participar da construção da Estrada de Ferro Noroeste. A partir de então, raízes foram sendo criadas na cidade morena, que incorporou alguns dos traços desta cultura na sua própria. É o caso, por exemplo, do sobá, iguaria japonesa que se tornou um dos pratos típicos de Campo Grande.

Praça Pantaneira

O Pantanal é um riquíssimo bioma brasileiro, que se estende entre os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Alguns dos animais típicos deste bioma são homenageados na Praça conhecida como Praça Pantaneira, em esculturas feitas pelo artista Levi Batista. Além dos animais, a Praça possui uma estátua do poeta Manoel de Barros, que viveu em Campo Grande. Essa homenagem faz com que a Praça seja apelidada de Praça do Poeta.

Parque das Nações Indígenas

Um dos grandes orgulhos de Campo Grande é o Parque das Nações Indígenas, uma extensa área de lazer e cultura. São 119 hectares, que possuem quadra de esportes, pista de skate, pista de caminhada, playgrounds infantis e muito mais.

O Parque faz uma homenagem a algumas das nações indígenas que ocuparam o estado, nomeando cada entrada de acordo com uma destas etnias: guarani, kaiowá, nhandevas, kadiwéu, terenas e ofais.

O Parque é ideal para quem quer dar um passeio agradável, fazer uma caminhada, um piquenique ou mesmo conhecer uma área diferente. Possui muitas espécies de árvores preservadas e é cortado em toda a sua extensão pelo Córrego Prosa, que forma um pequeno lago dentro do Parque.

Fazem parte do Parque das Nações Indígenas algumas construções e monumentos que podem ser visitados pelos turistas:

O Monumento aos Cavaleiros Guaicurus é uma impressionante obra de 7 metros de comprimento e 4 metros de altura, que representa um índio da etnia Guaicuru e seu cavalo, que faz parte do modo de vida desse povo.

É também no Parque das Nações Indígenas que fica localizada a Concha Acústica Helena Meirelles, um belo e moderno espaço que recebe apresentações musicais, teatrais, palestras e outros eventos.

Ao lado da Concha Acústica, fica o Museu de Arte Contemporânea. O MARCO, como é conhecido o Museu, possui 5 salas para exposição – sendo uma permanente a as outras temporárias – além de salas educativas, auditório e biblioteca. Seu acervo conta com mais de 1.600 peças, em diversas manifestações artísticas, por isso, ele cumpre um importante papel de ampliar o acesso à arte e à cultura na cidade de Campo Grande.

Outro museu que faz parte da área do Parque é o Museu das Culturas Dom Bosco, também chamado de Museu do Índio. Criado pelos salesianos há mais de 60 anos, este museu já esteve em diferentes locais da cidade até ser instalado no Parque das Nações Indígenas. O nome de Museu do Índio foi dado graças a seu extenso acervo de objetos de culturas indígenas.

Conheça também, no Parque, o Monumento Totem ou Monumento ao Índio. Com o formato de uma zarabatana (arma de origem indígena) este monumento tem o objetivo de homenagear os povos originários do nosso país.

Feira Central

A maior feira do estado de Mato Grosso do Sul fica em Campo Grande: é a Feira Central, considerada, inclusive, Patrimônio Cultural e Imaterial da cidade. Também chamada de feirona, a Feira Central já existe desde 1925 e vende artesanato e produtos típicos. Mas o maior destaque vai para as deliciosas iguarias gastronômicas vendidas ali. É um ótimo lugar para quem quiser provar um bom Sobá, prato tipicamente japonês que se enraizou em Campo Grande, além de outros pratos típicos regionais, como o espetinho com mandioca amarela.

Monumento Maria Fumaça

Uma parte marcante da história de Campo Grande foi a construção da estrada de ferro Noroeste do Brasil. A locomotiva foi o meio de transporte de muitos dos moradores de diferentes povos que se instalaram e criaram suas famílias em Campo Grande. Por isso, o Monumento Maria Fumaça, instalado na Orla Ferroviária, tem um ar de nostalgia para os moradores mais antigos – mas faz brilhar os olhos de qualquer um. Com cerca de 5 metros de altura, o impressionante monumento representa uma Maria Fumaça inclinada para o alto, como se fosse se erguer para o céu. Vale a pena passar por lá na sua viagem e guardar uma foto de lembrança deste cartão-postal de Campo Grande.

Parque Matas do Segredo

Quem gosta de passeios ecológicos e parques tem mais uma opção em Campo Grande. O Parque Matas do Segredo foi criado com o objetivo de preservar uma área de 117 hectares do Cerrado, além de ser um importante foco de pesquisas. Com uma grande diversidade de espécies vegetais e com a presença de inúmeros animais típicos do Cerrado, é o espaço certo para quem quer tirar um descanso da vida urbana e curtir a natureza. Se você for das trilhas, pode aproveitar as cerca de 13 trilhas do Parque. Você pode conhecer, também, algumas das nascentes que estão na área do Matas do Segredo, como, por exemplo, a nascente do Córrego Segredo – de onde vem seu nome. As visitas são guiadas, justamente para garantir o cuidado necessário com essa área de preservação.

Museu José Antônio Pereira

Para quem gosta de história e cultura, Campo Grande também oferece suas atrações. É o caso do Museu José Antônio Pereira, que homenageia o fundador da cidade. O Museu tem sua sede na antiga Fazenda Bálsamo, propriedade que pertenceu a José Antônio Pereira no século XIX e que mais tarde seria doada por sua filha à Prefeitura de Campo Grande. Na casa de pau a pique, são exibidos objetos que pertenciam a ele e à sua família. Estão também preservados um carro de boi, o engenho de açúcar, o monjolo e outras relíquias da Fazenda. Na frente da casa, uma escultura representa José Antônio, sua esposa Anna Luiza e sua filha.

Praça Esportiva Belmar Fidalgo

Os esportistas não precisam ficar parados só porque estão viajando: muitas cidades oferecem espaços ideais para você se movimentar enquanto estiver no seu passeio. Em Campo Grande, uma boa dica é a Praça Esportiva Belmar Fidalgo. Localizada no centro da cidade, a Praça possui quadras poliesportivas, pistas de corrida, playground infantil, caixa de areia para prática de vôlei e tênis e outras atrações ideais para quem procura o que fazer em Campo Grande para não parar com os exercícios.

Parque Ayrton Senna

Outro espaço dedicado aos esportes e ao lazer em Campo Grande é o Parque Ayrton Senna. O Parque possui quadras de areia, campos de futebol, pistas de atletismo, piscinas e teatro. Além disso, são oferecidas diversas oficinas como dança, música, ginástica e esportes. O público mais idoso também está incluído, com atividades específicas voltadas para essa faixa etária praticar atividades físicas e se movimentar com segurança.

Orla Morena

Continuando com as dicas para quem gosta de passeios ao ar livre, caminhadas e procurar o que fazer em Campo Grande, a Orla Morena é uma boa ideia. O espaço é uma espécie de parque linear, construído nos 17 quilômetros antes ocupados por trilhos ferroviários. Assim, a Orla se tornou um ponto de convivência, com pistas de caminhada, pistas de skate, quadras, ciclovia e teatro de arena. Além disso, a Orla Morena passou a receber os feirantes que antes montavam suas barracas na rua, na chamada Feira da Cabreúva.

Cachoeiras

A próxima dica não fica exatamente dentro dos limites da cidade, mas, se você passar mais tempo em Campo Grande, vale muito a pena explorar algumas das lindas cachoeiras do Mato Grosso do Sul que ficam próximas à capital.

É o caso, por exemplo, da Cachoeira do Céu, que fica a apenas 16,1 quilômetros de Campo Grande. A deslumbrante cachoeira, com uma queda d’água de 25 metros pode ser acessada através de uma trilha, que leva cerca de 20 minutos de caminhada. Vizinha da Cachoeira do Céu, também chamada de Ceuzinho, está a “Inferninho”, com uma queda d’água de 30 metros.

Se você topar viajar um pouco mais, vai poder conhecer outras paisagens incríveis e cheias de cachoeiras. Em algumas cidades da região, como Corguinho, a cerca de 100 quilômetros de Campo Grande, existem outras belas quedas d’água para você aproveitar. Na famosa cidade Bonito, a cerca de 3 horas e meia de viagem de Campo Grande, as paisagens incríveis fazem jus ao nome e atraem turistas que vêm do país inteiro.

Onde comer em Campo Grande

Para sua estadia em Campo Grande ficar melhor, uma boa dica é aproveitar as possibilidades gastronômicas da cidade. Vou deixar algumas dicas de restaurantes para diferentes gostos na capital, basta você escolher os que mais te dão água na boca!

A comida italiana costuma agradar a todos os públicos, não é? Se você gosta desses clássicos, conheça a Cantina Romana. Esse restaurante busca reproduzir o clima de uma típica cantina italiana, desde a decoração, com as charmosas toalhas xadrez cobrindo as mesas, até o sabor dos pratos. Com deliciosas opções como as massas artesanais, pizzas, carnes e sobremesas, a Cantina Romana vem construindo sua tradição em Campo Grande desde 1978, e vem se estabelecendo desde então como uma das melhores escolhas para quem quer experimentar comida italiana em Campo Grande.

Uma boa maneira de ter a experiência completa da cidade que você visita é mergulhar nos sabores regionais. Se você está querendo experimentar um pouco da típica comida pantaneira, minha dica é o restaurante Fogo Caipira. O ambiente é rústico e aconchegante, possui uma área interna e uma área externa onde toca música regional. As opções do cardápio resgatam os sabores típicos da região com toques de originalidade, através de pratos como a moqueca de pintado, carne de sol na moranga e muito mais.

Se você procura um lanche, um dos lugares mais tradicionais da cidade é o Thomaz Lanches. A maioria dos moradores conhece esta lanchonete, fundada em 1978 por descendentes de libaneses. A casa é famosa pelas esfihas e por outros salgados, oferecidos no esquema self-service, além dos doces e de outros pratos de origem árabe.

Onde se hospedar em Campo Grande

Antes de partir para sua viagem, é legal já se organizar e procurar um bom lugar para ficar, que seja confortável e caiba dentro do seu planejamento. Vou deixar aqui algumas dicas que podem ajudar quem está procurando o que fazer em Campo Grande para fazer da sua estadia uma boa experiência.

A primeira dica é o Jandaia Hotel, localizado no centro de Campo Grande, mais especificamente na Rua Barão do Rio Branco. Esse hotel conta com apartamentos, suítes família, que possuem acomodação para crianças, e espaçosas suítes master, com banheiras de hidromassagem. Todas as acomodações são bem confortáveis e possuem ar condicionado, wifi, TV HD e frigobar. Além disso, o Jandaia Hotel disponibiliza academia, para quem não quer deixar os treinos de lado durante a viagem e piscina ao ar livre, para curtir nos momentos de descanso. O café da manhã está incluso nas diárias, e, para as outras refeições, você pode contar com o Restaurante Imperium, que oferece pratos a la carte.

A apenas 10 minutos de carro do Aeroporto Internacional de Campo Grande, uma outra dica de hotel é a Orla Morena. São várias opções de quartos, para que você escolha a que vai se adequar melhor à sua viagem: quartos para single use, duplos, triplos, quádruplos ou suítes. Os quartos possuem comodidades como ar condicionado e tv. O Orla Morena possui piscina e estacionamento gratuito, o que é uma comodidade para quem vai de carro. O buffet de café da manhã também é oferecido pelo Hotel.

Outra opção é o Novotel, um hotel 4 estrelas em Campo Grande. Possui uma bela piscina ao ar livre, academia, playground infantil, bar e restaurante, ou seja, é cheio de comodidades para você aproveitar bem sua viagem. Os quartos possuem ar condicionado, wi-fi, televisão e mesa de trabalho. O café da manhã também está incluso na diária.

Dicas de viagem

É sempre bom lembrar, para quem não sabe, que o fuso horário da capital de Mato Grosso do Sul não é o mesmo de Brasília, mas 1 hora atrasado. Lembre-se disso na hora de ajustar seus relógios para não se perder no seu planejamento!

Se você tiver pouco tempo na cidade e está se perguntando o que fazer em Campo Grande para não deixar de aproveitar todas essas atrações, minha dica é que procure fazer o City Tour. O ônibus panorâmico passa pela maior parte das atrações turísticas de Campo Grande. O trajeto tem cerca de 48 quilômetros e é acompanhado por um guia, que explica sobre todos os pontos.

Boa viagem e aproveite Campo Grande!

Daniel Gualberto
O desejo de poder sempre viajar e compartilhar minhas dicas com a maior quantidade de pessoas, me levou a entrar no mundo dos blogs e mídias sociais, e um dia ter o Fica Ativo e Viaja (#FAV) como um das mais respeitadas referência em blog de viagens do Brasil.

Post relacionados

Daniel Gualberto

O desejo de poder sempre viajar e compartilhar minhas dicas com a maior quantidade de pessoa!

10FansLike
176FollowersFollow
42FollowersFollow
- Propaganda - spot_img
- Propaganda - spot_img
- Propaganda - spot_img
- Propaganda -
- Propaganda -

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.